Cod. SIMP009 - RESUMO


Título: DISCURSO, PAIXÃO, MEMÓRIA

Coordenadores/Instituições:
NORMA DISCINI (USP)
ELISABETH HARKOT DE LA TAILLE (USP)

Resumo: A partir do exame a ser feito de textos ancorados em gêneros diversos, discutiremos como se processa a paixão, como efeito de sentido arquitetado no interior de tais textos, o que deve remeter ao estilo vinculado a distintas esferas de comunicação, como a mídia, a literatura, o discurso jurídico, o discurso religioso, entre outros.  Para isso, partimos do princípio de que todo enunciado supõe uma enunciação, a qual toma corpo próprio ao enunciar-se: no corpo, uma organização semântica e sintática funda-se numa estrutura actorial, mas essa estrutura é vista como aberta ao mundo, este concebido como o que “está aí” – enquanto significação para o sujeito que o habita. Da relação entre o enunciador (autor implícito) e o enunciatário (leitor implícito) deverá emergir, portanto, um corpo semantizado, vinculado a um tempo-espaço também semantizados, o que supõe a  historicidade do discurso e a sensibilidade de quem o expressa. Distintas paixões, como testemunho desse estar-no-mundo devem vir à luz, ao se compararem textos cravados em contextos diversos, enquanto a memória, como construção vinculada ao gênero, à esfera e ao estilo autoral, será apresentada na ordem de um contínuo, que mistura passado e futuro num presente que dura, ou na ordem do descontínuo, para que não vingue um lugar de ek-stase, de estar fora de…, mas um lugar próprio a um mundo estável com ilusão de acabamento. A precarieade do corpo se confirmará na ordem do contínuo, que se alia ao sensível; a ilusão de acabamento do corpo se confirmará na ordem do descontínuo, enquanto o limite entre presente, passado e futuro ordena o mundo. A partir daí, diferentes éticas e diferentes estéticas deverão mostrar-se.

Palavras-chave: