Cod. MES001 - RESUMO


Título: DISCURSO E ESTILO

Autor/Instituição:

BETH BRAIT (PUCSP / USP/CNPq)

Resumo:

A questão básica que orienta esta exposição diz respeito à retomada de uma estilística do discurso, colhida em trabalhos de M. Bakhtin (1930-1936), com dupla finalidade: (i) reintroduzir a proposta bakhtiniana a respeito de estilística, discutindo sua pertinência e sua produtividade para os estudos contemporâneos do discurso; b) fazer uma leitura, a partir das linhas mestras dessa estilística dialógica, discursiva, da forma como o gênero autobiográfico foi mobilizado em Retrato calado (1988/2012), de Luiz Roberto Salinas Fortes, obra que re-apresenta a ditadura brasileira dos anos 1960-1970, pelo viés do gênero memórias, conferindo a esse gênero a dimensão do que Bakhtin denomina capacidade e característica essencial da prosa literária: expor o diálogo social das linguagens. Trata-se, por um lado, de uma estilística do gênero romanesco, que poderia, sem comprometimento, ser pensada como estilística dos gêneros da prosa literária. Sua especificidade reside na captação, por parte do analista, do diálogo social das linguagens que acontece na totalidade de uma obra, considerada como um enunciado concreto, uma enunciação. Visto por esse prisma, Retrato calado expõe discursos que conferem à narrativa de memórias, de testemunho, o poder se ser, ao mesmo tempo, sobre um sujeito, seu enunciador, que é também o objeto do narrado, e sobre um tempo que se deixa ver, entrever, por meio de um tecido discursivo tramado por diferentes fios contraditórios, tensos, de matizes variados, nos quais a memória corporificada se vê lucidamente enredada.

Palavras-chave: Perspectiva dialógica; Estilística discursiva; Memória; Literatura de resistência; Gêneros.